5 de setembro de 2019

Eu Sou Amazônia: uma imersão virtual para descobrir a floresta

Conscientizar as pessoas sobre a importância da maior floresta tropical do mundo. Esse é o objetivo do Dia do Amazônia, celebrado anualmente em 5 de setembro.

Contudo, para além da data, questões como desmatamento e queimadas têm mantido o assunto em pauta nas últimas semanas. Logo, inspirar a cultura da preservação e da educação ambiental é uma valiosa missão a ser assumida pelas escolas. Afinal, mesmo que a Floresta Amazônica pareça muito distante da sala de aula, há ferramentas incríveis para estabelecer esta conexão.

 

Mapeando os povos da Amazônia

Como se vê aqui, o iPad está entre os dispositivos mais afinados à realidade dos estudantes: conectada, digital, instantânea. Além disso, é considerado a melhor ferramenta digital para a Educação. Tudo porque é capaz de estimular a evolução dos alunos de maneira prática, intuitiva e interdisciplinar. Assim, especialmente quando combinado a ferramentas como o Google Earth, o dispositivo da Apple é ideal para descobrir o mundo. E um excelente ponto de partida pode ser uma imersão virtual na Floresta Amazônica.

Gratuito na App Store, o Google Earth oferece imagens de satélite, construções e terrenos em 3D de todo o planeta. Já a partir do projeto Eu Sou Amazônia, apresenta 11 povos da região a partir de uma experiência visual incrível. Para tanto, oferece imagens de câmeras 3D e adiciona outros recursos técnicos ao mapa. Dessa forma, além das imagens de satélite, é possível acompanhar o que está sendo mostrado em vídeos e textos.

Tudo para demonstrar a relação da floresta e seus povos com questões como alimento, água e origens culturais. Cada um destes 11 elementos pode ser conferido numa seção específica. “Eu sou água”, “Eu sou mudança”, “Eu sou alimento”, “Eu sou raiz”, “Eu sou inovação”, “Eu sou resiliência”, “Eu sou aventura”, “Eu sou conhecimento” e “Terras Indígenas”. Assim, a partir de vídeos, textos e mapas, o projeto Eu Sou Amazônia demonstra como contar histórias e construir conexões.

Aliás, esses vínculos podem ser estabelecidos com a ajuda da tecnologia e a integração das diversas disciplinas curriculares. No caso específico do projeto Eu Sou Amazônia, é possível trabalhar, por exemplo, com Geografia, Português, História e Matemática. Então, com interdisciplinaridade e recursos de aprendizagem atrativos, fica muito mais fácil estimular a formação de cidadãos conscientes.

Afinal, é a partir da tecnologia que as crianças serão capazes de criar um mundo progressivo, diversificado, significativo e hiperconectado. Pelo menos é isso o que defende o filósofo Jordan Shapiro – como inclusive já contamos neste post.

Foto: iStock/Laszlo Mates

Download (PDF)