9 de abril de 2020

Coronavírus: como abordar o tema à luz da nova BNCC

Desde os primeiros casos registrados no mundo, o coronavírus (Covid-19) tem gerado importantes debates na comunidade escolar. Agora, mesmo com as escolas fechadas, professores continuam exercendo um papel fundamental à implementação das políticas educacionais. Sobretudo num contexto de crescente disseminação de notícias falsas no Brasil. Afinal, desenvolver a alfabetização digital e o pensamento crítico está entre as atribuições mais importantes e atuais da escola.

Dessa forma, o coronavírus pode ser trabalhado de forma interdisciplinar para desenvolver habilidades referenciadas pela nova Base Nacional Comum Curricular. Tanto em aulas de Ciências e Língua Portuguesa, quanto de Matemática, História e Geografia, por exemplo.

 

Como tratar do assunto coronavírus com a turma

Conhecido desde 1960, o grupo viral do coronavírus inclui doenças como a SARS e a MERS. Logo, os professores podem propor que os alunos relembrem e comparem cada uma das epidemias. Para isso, é fundamental indicar fontes seguras, oficiais e confiáveis. Por exemplo: a partir do iPhone e do iPad, os alunos têm acesso ao aplicativo gratuito do Ministério da Saúde.

A plataforma, batizada de Coronavírus – SUS, apresenta diversos tópicos relacionados a prevenção, sintomas e ações para casos de infecção ou suspeita. Além disso, o app conta com notícias oficiais e um mapa indicativo das unidades de saúde mais próximas.

Depois de familiarizados ao tema, os estudantes podem ser envolvidos em projetos interdisciplinares que instiguem sua atenção e criatividade. Nesse contexto, a tecnologia é uma importante aliada da educação. Afinal, pode ser utilizada para tornar o conteúdo mais atraente, colaborativo e atual. Assim, que tal aproveitar uma aula de Geografia para avaliar mapas e observar os países mais atingidos pelo coronavírus? Aliás, esta criação dinâmica do El País traz informações atualizadas sobre números de infectados no mundo. Enquanto isso, no Brasil, os casos podem acompanhados por esta plataforma que contabiliza os dados por Unidade Federativa.

Todas essas informações podem ser associadas a questões de Matemática e História. Afinal, as epidemias sempre estiveram presentes no cotidiano do homem na Terra. Porém, foi no período de transição da produção feudal ao mercantilismo que o contágio assumiu proporções devastadoras.

Diante disso, a quarentena passou a ser usada para combater diversas doenças ao longo dos tempos. Como a Peste Negra, que se espalhou pela Europa no século XIV, por exemplo. Sendo assim, é válido promover discussões a partir de séries, livros e filmes que abordem o tema. Como Pandemia, disponível na Netflix, e Órfãos do Ebola, disponível na HBO Go.

 

Coronavírus como temática na Educação Infantil e no Ensino Fundamental

Muito frequentes nas rotinas da Educação Infantil, atividades de higiene servem de oportunidade para abordar cuidados de prevenção ao Coronavírus. Ao mesmo tempo, ajudam a ampliar outros quatro campos de experiência da BNCC. São eles: eu, o outro e o nós; corpo, gestos e movimentos; escuta, fala, pensamento e imaginação; e espaço, tempo, quantidades, relações e transformações. Enquanto isso, no Ensino Fundamental é possível trabalhar o tema em habilidades relacionadas a saúde pública e transmissão de microrganismos.

Dessa forma, é possível propor questões de saneamento básico e políticas públicas destinadas à saúde. Outra dica é propor jogos como o Immuno Rush, disponível gratuitamente na App Store. Afinal, ele coloca o jogador no comando do sistema imune para proteger o corpo humano contra vírus, bactérias, protozoários, fungos e helmintos.

 

Foto: iStock/iLexx

Download (PDF)