30 de julho de 2020

Pré-escola: como trabalhar a questão étnico-racial em aula

O Brasil é um país de história e situação étnico-racial complexas. Conquistado e colonizado por europeus, o território que hoje habitamos viu seus povos originários serem dizimados. Depois, presenciou o regime de escravidão de milhões de pessoas trazidas da África. Como consequência disso, hoje a população brasileira é miscigenada, composta majoritariamente por brancos, negros, pardos e indígenas. Porém, esses grupos vivem realidades distintas. Afinal, os não brancos continuam enfrentando situações de preconceito, discriminação e racismo.  

Assim, revela-se essencial que todos façamos nossa parte na construção de uma sociedade mais justa – especialmente quem trabalha com educação. Afinal, a sala de aula deve ser um local de acolhimento, diálogo e aceitação de todos os alunos. Dessa forma, é importante que a questão étnico-racial seja, sim, abordada pelos professores. Inclusive, isso pode começar já na pré-escola, uma vez que nessa fase as crianças estão, justamente, aprendendo a socializar.

BNCC prevê abordagem na educação infantil

Já em vigor, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) prevê que a problemática racial seja tratada em sala de aula. Entre suas diretrizes gerais, orienta a “educação das relações étnico-raciais e ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e indígena”. No capítulo sobre o ensino infantil, composto por creche e pré-escola, não chegam a ser sugeridos conteúdos específicos sobre o tema. Porém, a BNCC explicita quais são os direitos de aprendizagem e desenvolvimento dos alunos da educação infantil. Inclui-se entre os direitos do estudante “conhecer-se e construir sua identidade pessoal, social e cultural, constituindo uma imagem positiva de si e de seus grupos de pertencimento (…)”.

Trabalhando a questão étnico-racial na pré-escola

Em 2020, as etapas de ensino infantil e fundamental de instituições públicas e privadas já precisam estar adequadas à BNCC. Assim, torna-se necessário elaborar formas de abordar o tema de raças e etnias nas atividades de aula. Pensando nisso, a iPlace Educacional traz a seguir algumas dicas de como trabalhar essas questões com as crianças. As sugestões são inspiradas em propostas elaboradas pelas professoras Lucimar Dias e Waldete Oliveira, publicadas originalmente no portal Nova Escola.

Rodas de conversa

A disposição em círculo é uma ótima forma de propor novos temas à turma, uma vez que transmite a ideia de união. Nessa roda, deve estimulado o diálogo aberto e a participação de todos, inclusive para debater possíveis episódios de preconceito.

Identificação de materiais

Na pré-escola, as crianças estão ainda formando sua própria identidade. Assim, vale apresentar a elas revistas, jornais, livros e vídeos onde elas possam se reconhecer. Identificar diferenças entre si e os colegas sem julgamento de valor estimula o respeito à diversidade.

Leitura de contos e livros

A literatura também é uma poderosa ferramenta na hora de trabalhar a questão étnico-racial em sala de aula. Em especial quando entram em cena os universos fantásticos e sedutores das lendas e mitos. Assim, o professor deve escolher materiais diversificados, que incluam histórias de origem africana e indígena.

Produção de brinquedos

Outra forma de desarmar o preconceito é propiciando que as crianças possam brincar com bonequinhos de todas as cores e etnias. Como, lamentavelmente, ainda é raro encontrar brinquedos industrializados que reproduzam pessoas não brancas, a dica é colocar a mão na massa. Com o auxílio dos professores, as crianças podem usar diversos tons de tecido para criar seus próprios bonecos de pano.

Contato com música

As atividades lúdicas têm um peso muito importante na pré-escola e isso, claro, inclui também o universo musical. Assim, a sala de aula pode ser o espaço perfeito para que as crianças tenham contato com cantigas indígenas e africanas.

Comidas típicas

Da mesma forma, a culinária também pode ganhar espaço em sala de aula. O professor pode estimular que as crianças pesquisem a origem de receitas tipicamente brasileiras. Se a escola possuir um espaço para produção e degustação das comidas, melhor ainda.

As sugestões acima são apenas algumas entre as inúmeras opções de abordagem da questão étnico-racial na pré-escola. São, portanto, um ponto de partida para a construção de ambientes de aprendizagem que fomentem o respeito e a preocupação com a coletividade.

Foto: iStock/bernardbodo

Download (PDF)